Como se preparar para fazer a sua primeira longa viagem de moto?

Reflexões e comentários…

Pelo motociclista Policarpo Jr – RockRiders.com.br

Esse texto não visa responder a pergunta do seu título e sim gerar reflexões naqueles que estão pensando em partir para sua primeira longa viagem de moto, os incentivando!

Para começar precisamos definir ou ao menos explorar a questão: o que é uma longa viagem de moto?

Simples, depende de cada motociclista. Para uns, uma longa viagem pode ser sair da sua cidade no Brasil e ir até outra distante 600, 1000 ou quem sabe 2000km. Outros consideram longa viagem, por exemplo, sair de São Paulo e ir até a cidade capital do deserto de Atacama, San Pedro de Atacama. Tem aqueles que longa viagem é ir rodar com moto alugada na histórica Rota 66 nos EUA ou em destinos do velho continente. Para os mais experientes, uma viagem longa é rodar por várias semanas ou mesmo meses para lugares distantes, cruzando diversos países e/ou continentes.


Alaska, em viagem desde Sampa e Ushuaia. 

Então que fique claro, o conceito de viagem longa de moto, é diferente conforme cada motociclista, suas experiências, expectativas, viagens que já fez, etc.

Porém, definir o que é a nossa “primeira viagem longa” é bem mais fácil, podemos dizer que é aquela com maior número de dias de estrada e quilometragem rodada, que já fizemos até então.

No meu caso, minha primeira “viagem longa” foi ter saído da cidade de São Paulo e ter ído até a capital do estado de Minas Gerais, Belo Horizonte. Isso foi em 2006. Na época, imaginava que era uma longa viagem. Fiz a ida em 2 dias! Já a volta em um dia só, uma vitória!

Entre 2006 e 2010 fiz inúmeras viagens, curtas, médias e longas. Já em 2011, fiz outra viagem bemmmmm longa! Sai também de São Paulo, mas com destino para Ushuaia (extremo sul da América), de lá, percorri 17 países até o Alaska, depois fui para Toronto na outra costa do continente e findei a viagem em Miami, no sul dos EUA! A realizei sozinho. Foram mais de 47.000km em 6 meses de viagem de moto!

Foto placa Ushuaia: conhecida como “fim del mundo”, mas para quem de lá foi para o Alaska, podemos brincar e chamar de “começo del mundo”.


Fotos: Jaspe no centro do Canadá, Deserto de Atacama/Chile e Nazca/Peru. 

Mas qual a diferença, no que tange a execução, dessas duas “viagens longas” que realizei? Sinceramente, apenas o número de dias na estrada, quilometragem rodada e dinheiro gasto. Frisando, no que tange a execução.

Com outras palavras, quero dizer, um motociclista que faz uma viagem de 1200km (como por exemplo Sampa – BH – Sampa), já está preparado, para fazer outra muito maior. Basta ter a consciência que multiplicará, em alguns casos exponencialmente, os dias que permanecerá rodando, dormindo em hoteis/pousadas ou mesmo fazendo camping, o dinheiro envolvido, o rodar com chuva, com sol, podendo inclusive pegar neve, e por ai vai.

Claro, além do citado no parágrafo anterior, numa longa viagem por entre países, temos ainda questões de documentos necessários para levar, uso de moedas locais dos países que iremos cruzar, climas que iremos passar dos mais variados, diferentes altitudes, etc. Isso deve fazer parte do planejamento da viagem.


Fotos: Passagem por Luxemburgo, Highlands/Escócia e camping na patagônia/Argentina.

Outra coisa que o motociclista precisa se preparar é para encarar as “emoções diárias” que vivenciará numa viagem longa, dessas longas mesmo! Por exemplo, digamos que você já tenha rodado na Serra do Rio do Rastro/SC, Estrada da Graciosa/PR, pela bela Rio-Santos e por ai vai, sempre dentro do Brasil. Muito legal! Mas, acredite, quando você cruzar trechos e passos da Cordilheira dos Andes (entre Argentina/Chile), fizer os Caracois (Argentina), passar pela “avenida dos vulcões” no Equador ou rodar na Pacífico 1 nos EUA, vivenciará emoções muito diferentes daquelas do Brasil.

Não só de estradas e paisagens, mas de tudo, como culinária, nível de segurança, infraestrutura e qualquer outro. Como já sabemos, é diferente de um país para outro, de um continente para outro, mas vivenciar isso de moto é sensacional. Você precisa sair para sua “longa viagem internacional” com isso em mente, principalmente se sua experiência mesmo em viagens tradicionais de carro, avião e outras, para o exterior, sejam poucas.


Fotos: meninas no centro-sul do Canadá, Praia do Cassino na cidade de Rio Grande/RS e estrada de rípio do Canadá.

Você que é brasileiro residente no Brasil, pode parecer difícil, mas coloque na sua cabeça o seguinte: entre os países das Américas, Europa e Oceania, o Brasil está entre aqueles “mais difíceis” para se rodar de moto, com estradas ruins, movimentadas, pessoas despreparadas no trânsito das cidades e estradas, nível de segurança e violência precário e corrupção policial. Uma vez que você assimilar isso, verá que ir para Argentina, Uruguai, Chile e mesmo a Bolívia, Peru ou Equador (sem contar com inúmeros outros países) é bem mais simples do que você imagina (sem ter ido para esses países ainda). Amigo, quem roda de moto nas estradas e grandes cidades brasileiras, pode ficar tranquilo, se dará bem rodando em praticamente qualquer outro lugar!

Agora é claro, penso que a maioria dos leitores desse texto são pessoas adultas e responsáveis. São motociclistas no melhor que essa palavra e conceito expressa. Sendo assim, pilotam sempre com responsabilidade, segurança, dentro dos seus limites e 100% do tempo com pilotagem defensiva.

Uma vez um motociclista me perguntou: como você se prepara para uma longa viagem? Respondi a ele, providencio os documentos necessários, o dinheiro, defino o tempo máximo que dedicarei para a viagem, pesquiso na Internet, traço a rota que pretendo fazer (nomes das cidades que desejo passar), defino o dia da partida, faço as bagagens e parto para a viagem. O tempo que dedico ao planejamento hoje em dia varia entre 3 dias até uns 10 dias, conforme o roteiro da viagem.

Claro, de novo, o planejamento de uma longa viagem é diferente de um motociclista para outro. Tem aqueles que são mais minuciosos, definem o dia-a-dia da sua longa viagem, quantos quilômetros iram rodar no dia, onde irão dormir (inclusive reservam com antecedência os hotéis), os lugares exatos que irão visitar, etc. Bom, para esses, leva-se bem mais tempo planejar uma longa viagem. Existem outros, me encaixo nesse perfil, que simplesmente definem a rota – os nomes das cidades referência para o roteiro da viagem – e partem para a realização. Os locais que irão visitar, os hotéis/pousadas que irão ficar, tudo é definido durante o transcorrer da viagem. Ambos os perfis citados têm suas vantagens e desvantagens!

Outra alternativa é realizar longas viagens assessoradas por agências de moto turismo especializadas, é uma forma que dá pouco trabalho, já que tudo é organizado por empresas. É a solução mais indicada para aqueles que querem curtir estrada sem preocupações com o planejamento, dia a dia na estrada, etc.


Fotos: estrada de rípio no Canadá rumo ao Alaska e vulcão na Nicarágua. 

Já li em sites/blogs por ai, que o motociclista “treina” para longas viagens, fica anos planejando, por exemplo, para ir do sudeste/sul do Brasil para o Atacama. Olha, se esses “anos” forem dedicados para “economizar o dinheiro necessário” ou para alimentar o sonho de um dia partir, tudo bem, entendo e respeito. Mas se for para qualquer outra coisa, tipo “estudar o trajeto” ou “treinar” rodar de moto, desculpe mas algo não bate! Bastam poucos dias para “estudar o trajeto” do sul/sudeste brasileiro até o Deserto de Atacama! Mesmo período para fazer o mesmo até Ushuaia! Isso só para citar alguns destinos. As informações estão todas na Internet.

Compreendo também os receios de alguns trajetos, por exemplo, que envolvam trechos não asfaltados ou um pouco de off-road, como é o caso de ir até Ushuaia, ou ainda, que envolvam questões naturais como o “vento patagônico” ou as altas altitudes da Cordilheira dos Andes nos países andinos.


Fotos: moto na chegada a Munique/Alemanha e montanhas do Canadá. 

Para quem nunca rodou na terra ou em “estradas de rípio” que temos no Cone Sul, sem dúvida, será um desafio e uma experiência diferente fazê-lo, nesse caso, justifica “treinar” num terreno mais off-road ou que se assemelhe aos rípios chilenos/argentinos. Já com relação ao “vento patagônico”, não existe outro vento na Terra que o lembre, então, seu único lugar de “treino” será quando estiver cruzando a região da Patagônia, nas longas retas da Ruta 3. No Brasil também não existem estradas que ficam a 5000 metros de altitude, sua maneira de saber como será rodar nessa altitude é conversando com quem já rodou ou pesquisando na Internet.

Se ao invés de empreender uma longa viagem de moto, você decida fazê-la de bicicleta, ai sim, precisará se preparar fisicamente para a façanha! Ai sim, é diferente “pedalar” 200km para 10.000km! Ai o papo é outro e precisará de muito treino. Agora, de moto?

Em nosso meio de motociclistas, costumamos “venerar” aqueles motociclistas que já empreenderam longas viagens. Tipo, se o sujeito já foi para o Ushuaia, Atacama ou mesmo (como é o meu caso) para o Alaska, além de diversos outros destinos, temos um “respeito maior por ele”. Bacana, respeito e educação nunca é demais e devemos sempre ter, além disso, é legal quando vermos um “irmão” realizar grandes façanhas e viagens que tanto curtirmos. Porém, devemos ter respeito e educação para com qualquer ser humano, sem distinção. Digo isso, porque já vi o contrário sendo praticado por motociclistas que se “julgam num grau superior”.

O que um motociclista que já fez várias longas viagens tem a mais que você? Vivências, histórias e aprendizados para contar das suas viagens. Acredite, você que nunca saiu de moto do Brasil pode sim ter mais experiência e mais domínio ao pilotar uma moto que muitos que já foram para bem longe por ai. Quero dizer para você que para realizar longas viagens não é preciso ser um exímio piloto motociclista. Longe disso! Já para rodar em trechos de off-road por longos trajetos, ai a história é diferente.


Parque nacional das Sequoias/EUA – Califórnia

Normalmente o que difere um motociclista realizador de longas viagens para outro que pilota há vários anos, mas só em curtas viagens, é o tamanho dos seus sonhos em viagens de moto, somado as suas atitudes em realizá-los. Uns se contentam em irem até logo ali, curtem participarem de festas e eventos, em rodar com os amigos nos finais de semana, outros de irem para bem mais longe. Claro, isso fazendo uma análise simples, já que longas viagens envolvem volume de dinheiro maior e infelizmente nem todos podem as realizar.

Outra dúvida muito comum para quem deseja fazer uma longa viagem, qual a melhor moto? Amigo(a), qualquer moto te leva para qualquer lugar, literalmente. A pergunta que você deve fazer é: qual a melhor moto para eu ir numa longa viagem, de forma que eu me sinta bem, confortável, seguro e possa comprá-la? Ai sim.

Se você deseja fazer uma longa viagem de moto, continue lendo bastante e conversando com seus amigos que já empreenderam longas viagens. No mais, saiba que cada viagem é diferente da outra, mesmo que uma pessoa realize junto com você uma viagem, cada uma terá percepções diferentes. Se você pensa muito em realizar uma longa viagem, toda hora lhe vem o desejo na cabeça, já tem a grana e o tempo disponível, se sente seguro e com muita vontade de curtir por longos dias, semanas ou meses a fio, não importa qual seja sua moto, você já está preparado para partir… siga suas intuições e tenha bons ventos de liberdade!!

Quer acrescentar algum comentário, crítica ou elogio, escreva ai abaixo no aplicativo do Facebook.

Fonte: Texto e fotos pelo motociclista Policarpo Jr – RockRiders.com.br

4 comentários em “Como se preparar para fazer a sua primeira longa viagem de moto?

  • 7 de março de 2017 em 23:44
    Permalink

    Parabéns pelo texto e pela vida que leva! Estou começando a preparar uma viagem de BH a Ushuaia e de la ate o Canadá em 76 dias. Gostaria de lhe perguntar o,seguinte: 50 dólares em media por dia da pra fazer essa viagem? Como sair da Colômbia e entrar no Panamá? Pretendo,mandar a moto de volta ao Brasil por alguma transportadora. Sabe onde consigo,um orçamento ou uma ideia de valor desse frete? Grato!

    Resposta
  • 16 de março de 2017 em 14:20
    Permalink

    Oi Marcelo,tudo bem?
    Tambem to preparando pra ir de BH aos Estados Unidos,vc ja fez essa
    viagem ? To indo no final de 2017,procuro alguem q queira participar dessa
    jornada. Se te interessar, entra em contato no meu email; eritonacleen@yahoo.com.br;

    Obs; Bom dia Policarto, muito bom seu relato,vai me ajudar bastante!

    Abs.

    Resposta
  • 15 de agosto de 2017 em 22:59
    Permalink

    Boa noite
    Gostei do relato
    Realizar grandes viagens de moto indepede do tamanho da moto e sim da coragem epreparo do piloto.
    Durate os anos de 1981 a 1985 eu realizei três viagens de Goiânia a Cuiabá e vice versa, 950km cada uma delas, sobre uma CG-125, ano 1977.
    Hoje, um pouco mais desgastado pelo tempo, aproximando as casa dos 60, estou planejando fazer uma longa viagem de moto.
    Boa viagem aos corajosos.
    José Luiz

    Resposta
  • 1 de setembro de 2018 em 10:08
    Permalink

    Marcelo, compartilho das suas orientações.
    Muito bom!
    Parabéns!!!
    PS. Dia 02 de novembro de 2018 inicio a minha viagem para o Chile

    Resposta

Deixe já o seu comentário

%d blogueiros gostam disto: