Harley-Davidson lançará modelo mais barato no Brasil

Harley-Davidson Street 750
A Harley-Davidson lançará no mercado brasileiro seu modelo mais acessível. Considerando os preços nos Estados Unidos e na Europa, a Street 750 (codinome XG 750) deve sair por cerca de R$ 28 mil no Brasil, menos do que a Iron 883, até então a mais barata da marca e que custa R$ 32.900.

A expectativa é que o modelo comece a ser montado em Manaus ainda neste ano. Ele foi um dos que a marca disponibilizou para avaliação na apresentação da linha 2015, na Califórnia, na semana passada (o colunista viajou aos EUA pela Revista da Moto e a convite da Harley-Davidson).

Também disponível em versão de 500 cc no exterior, a Street oferecerá à Harley a chance de atuar com mais força em mercados emergentes, como Índia e Brasil, onde serão montadas, além de conquistar clientes mais jovens e de menor poder aquisitivo em mercados consolidados, como a Europa e os EUA.

É conhecido o potencial de crescimento no mercado do Brasil das motos de mais de 450 cc. De acordo com os números divulgados pela associação dos fabricantes, a Abraciclo, no primeiro semestre de 2014 a venda de motos no Brasil retrocedeu 12,2% frente ao mesmo período do ano anterior. Mas, ao considerar apenas os modelos de 450 cc ou mais, essa realidade se inverte, com vendas 13% maiores.

A explicação para a queda do mercado geral tem relação com a restrição ao crédito para a compra de motos pequenas. Já o cliente das motos maiores, menos dependente de financiamento, empurra para cima os indicadores, o que motiva os fabricantes a capricharem na oferta.

Honda CB 500X

Marcas de olho no nicho
A Honda, líder disparada do mercado brasileiro e dona de mais de 80% do bolo, é agressiva no nicho que vai dos R$ 25 mil a R$ 35 mil.

Além de manter a antiga 400 cc, a NX4, a empresa lançou a NC 700X em 2012. No ano seguinte, iniciou uma família de motos de 500 cc – as CB 500X (foto ao lado), CB 500S e CBR 500 – que se tornaram as best-sellers da faixa de preço inferior a R$ 30 mil.

Mesmo sem novidades, a Yamaha viu suas XT 660R e XT 660Z (foto abaixo) crescerem na preferência dos consumidores, praticamente dobrando a venda desses modelos nesta primeira metade de 2014.

Yamaha; XT 660Z; Ténéré; lançamento; moto; motocicleta; Brasil

De olho nesse aquecido segmento estão também marcas tidas como “premium”. Apesar de a capacidade industrial delas no Brasil ser menor do que as pioneiras Honda e Yamaha, essas empresas não querem ficar de fora do segmento que mais vende.

Um exemplo é a alemã BMW, conhecida por modelos exclusivos que custam mais de R$ 100 mil, mas que não deixará a pé quem entrar em uma de suas revendas e não quiser (ou não puder) gastar mais de R$ 30 mil. Para esse cliente, a BMW oferece sua versátil trail G 650 GS, cujo preço sugerido é de R$ 29.800.

Triumph Bonneville T100

Por pouco mais que isso, R$ 31.490,00, a britânica Triumph entrega aos consumidores brasileiros ávidos por se destacarem na paisagem ao guidão de algo diferente sua clássica Bonneville T 100 (ao lado), bicilíndrica de 865 cc que aposta todas suas fichas misturando o estilo retrô com uma mecânica bem atual.

Como é a Street
A Street será a primeira moto da marca a trazer motor e chassi 100% novos em 14 anos desde a V-Rod apresentada em 2001.

Fiéis a tradições estéticas e técnicas como poucos, os técnicos da Harley-Davidson disfarçaram bem a existência da refrigeração líquida no novo motor das Street 500 e 750 batizado de Revolution X. Outra preocupação foi com o som que sai dos escapes, pois não bastaria ser uma Harley e parecer uma Harley se ela não soasse como uma Harley quando acelerada.

Ao rodar com a Street 750 durante a apresentação da linha 2015, na Califórnia, pude comprovar que, mesmo sendo a motocicleta mais econômica da marca, o DNA dos modelos mais clássicos está presente nela.

Harley-Davidson Street 750

Em termos estéticos, o motor V2 é o protagonista do design. A moto está aquém do padrão de acabamento da Harley: tem conectores elétricos aparentes e mal posicionados, suporte de pedaleiras rústicos em chapa estampada e alguns parafusos galvanizados excessivamente à mostra podem indicar que, para conseguir um preço competitivo, concessões tiveram de ser feitas.

Baixa e alongada, a Street 750 permite a condutores de estatura limitada colocar os pés no solo com facilidade. Isso confirma uma das principais ideias do projeto: ser uma motocicleta acessível até para os menos experientes ao guidão. Outro fator que ajuda nessa tarefa é o peso – 222 kg em ordem de marcha. São 33 kg a menos do que a Iron 883, a menor das Harley-Davidson anteriores.

A Street 750 mostra ainda excelente maneabilidade e pronta resposta ao acelerador, mesmo nas mais baixas rotações, o que justifica o nome de batismo “Street” (rua em inglês). É uma motocicleta com performance ideal para cidades. Boa parte desse caráter é percebido na posição de pilotagem, com pedaleiras centralizadas e guidão próximo ao tórax, bem diferente de outras Harley-Davidson, com pedaleiras e guidão avançados que sugerem o uso em estradas.

Como em todas as motos da marca de Milwaukee, é o torque, e não a potência bruta, a prioridade. Mesmo tendo apenas 750 cc, há bom vigor em todas as faixas de rotação assim como uma típica vibração que muitos identificarão como parte do modo Harley-Davidson de fazer motocicletas. É um meio de cativar clientes tradicionalistas, assim como oferecer aos novos o “sabor” das motos maiores da marca.

O novo modelo é exatamente o que parece e promete ser: a porta de acesso para consumidores vindos de segmentos menos prestigiados para a icônica marca norte-americana, que poderá entrar na briga nesse nicho do mercado brasileiro que só vê suas vendas crescerem.

  • Crédito das fotos (pela ordem em que aparecem): Roberto Agresti; Caio Mattos/Divulgação; Raul Zito/G1; Divulgação/Triumph; Divulgação/Harley-Davidson.

 

 

Esta página, tem por objetivo informar de maneira rápida e eficaz os eventos e acontecimentos do mundo motociclístico, porém, não se responsabiliza por informações inverídicas, ou por eventos cancelados, ou por eventos não realizados, pois tais informações são fornecidas diretamente pelos próprios organizadores.
 
Então, antes de se deslocar até o evento, confirme se não houve cancelamento ou a existência do mesmo.
 
Boas estradas.
 
——–
 
Quer a cobertura fotográfica do seu evento feita pelo Eventos Motociclísticos?   Solicite uma cotação pelo e-mail contato@eventosmotociclisticos.com.br ou eventosmotociclisticos@gmail.com e tenha a cobertura do seu evento em tempo real sendo divulgado no instagram e fotos de altíssima qualidade feitas por um fotografo com experiencia desde 2007.
 
 
——-
 
 
 
Baixe o aplicativo gratuitamente e tenha no seu smartphone as informações sobre eventos motociclísticos em todo Brasil e até no exterior, além de dicas de bandas para seu evento e noticias sobre motos e motociclismo.
 
O aplicativo está disponível no Google Play Store e na Apple Store. 
 
Também estamos no instagram, envie sua fotos com a hastag ‪#‎eventosmotociclisticos‬ e tenha sua foto publicada na hora em nossa pagina e compartilhe com os irmãos motociclistas como está o evento em tempo real.
 
 
O Aplicativo Eventos Motociclísticos tem o patrocínio de:
Tony Cavalcanti Fotografo – www.tonycavalcanti.com.br
Marcelo Campos Advogado

 

Deixe já o seu comentário

%d blogueiros gostam disto: