KTM TRARÁ NOVA 390 DUKE AO BRASIL

Esta notícia é mais uma uma da série ‘as especulações se confirmaram’. A KTM assegurou para o Brasil a nova geração da 390 DUKE, vendida em outros mercados desde o início do ano, como modelo 2018. A moto é a atração principal da marca austríaca no Salão Duas Rodas, que está acontecendo nesta semana em São Paulo. Contudo, uma curiosidade: a irmã menor, a 200 DUKE, não foi atualizada, mantendo o layout e especificações técnicas do modelo 2015.

Como já dissemos quando a história da vinda do novo modelo começou a dar indícios, definitivamente, a 390 DUKE em questão é uma nova motocicleta. Chassis, suspensão, conjunto de iluminação, painel de instrumentos, freios, tanque… tudo mudou. Quase tudo. O motor é o mesmo monocilíndrico de 373 cc que gera 44 cv, mas agora trabalha melhor em giros mais baixos. Por isso, a potência máxima é atingida aos 7000 rpm (antes era aos 7500 rpm) e o torque também cresceu: de 3,57 a 7.250 rpm para 3,77 kgf.m a 7.000 rpm.

Nova KTM 390 DUKE: o que já era bom, melhorou

Na ferrenha disputa entre as ‘nakeds premium’ na casa das 300 cc há várias e interessantíssimas opções, com cada moto apresentando diferenciais únicos. Uma é mais confortável, outra mais progressiva, uma terceira mais completa e talvez uma quarta seja mais econômica ou tenha uma melhor relação custo e benefício, mas uma coisa é certa: nenhuma oferece tanta diversão quanto a 390 DUKE. Com seu motor monocilíndrico e torque acima das concorrentes, ela foi construída para ser uma ‘fun bike’, atendendo ao conceito ‘Ready to Race’ (pronta para correr) da KTM, despejando potência ao mínimo toque no acelerador e empurrando a motocicleta com força desde as primeiras rotações.

A nova KTM 390 Duke traz uma série melhorias em relação ao modelo anterior. O visual (como sempre dividindo opiniões) é ainda mais agressivo e inspirado nas motos maiores da marca, como a street fighter KTM 1290 Superduke ou a nova KTM 790 DUKE, apresentada no Salão de Milão (o EICMA), na semana passada. O painel de instrumentos também é maior e de melhor visualização, assim como o conjunto de iluminação, totalmente em LED. Os freios contam com disco maior na traseira (de 300 para 320 mm), e as suspensões e chassi (novamente em treliça) também são inéditos. O assento está mais alto, distante 830 mm do solo, e o tanque passou de 11 para 13,5 litros. Todas estas mudanças, porém, pesaram na balança. Com 163 kg (contando fluídos), a moto está 9 kg mais pesada que sua versão anterior.

Com todos estes aparatos, a KTM quer melhorar os números de venda no segmento. Mais do que isto, quer fazer frente a Yamaha MT-03 (com nova versão), Kawasaki Z300, BMW G 310 R e até mesmo Honda CB500F (dependendo de suas condições de preço). Há, ainda a nova Dafra Next 300 que pode causar mais um movimento no mercado e roubar algumas vendas de motociclistas com disponibilidade financeira um pouco menor. A nova 390 DUKE tem previsão de chegar às lojas no primeiro semestre de 2018, mas ainda sem preços definidos.

 

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: