MERCADO E PRODUÇÃO DE MOTOS EM ALTA

FORAM VENDIDAS MAIS DE 81 MIL UNIDADES NO MÊS PASSADO

indústria brasileira de motocicletas iniciou 2019 em ascensão. Em janeiro, saíram das linhas de montagem das fabricantes instaladas em Manaus, AM, 84,1 mil motos, 3,4% a mais do que no mesmo mês do ano passado e 24% superior ao resultado de dezembro.

O crescimento da produção ficou até aquém da evolução das vendas ao mercado interno, que manteve a curva ascendente dos últimos meses. No mês passado foram entregues às revendas 81,6 mil unidades, alta de 13,5% na comparação com janeiro de 2017 e de 22% sobre dezembro.

Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, entende que os  primeiros números de 2019 já são suficientes para confirmar a projeção da entidade de crescimento de 4,2% na produção de motocicletas este ano.

“Hoje o cenário macroeconômico é bastante favorável: temos inflação sob controle, queda nas taxas de juros e nos índices de inadimplência. Esse tripé trouxe de volta às concessionárias o consumidor que deseja uma motocicleta zero quilômetro”, afirmou.

Entre as categorias de motocicletas mais comercializadas no primeiro mês do ano a liderança ficou com a street, com 54,1% de participação (44,1 mil unidades). Na sequência aparecem a trail, com 18,9% (15,4 mil), motoneta, com 15,5% (12,6 mil),  scooter, 5,3% (4,3 mil) e naked, com 2,5% (2 mil).

Os negócios e a evolução no varejo foram ainda mais expressivos do que no atacado. Segundo dados do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), 90,7 mil motocicletas foram emplacadas em janeiro, alta de 17,8% na comparação com o mesmo mês do ano passado e de 7,9% sobre dezembro.

Apesar de as vendas em janeiro serem habitualmente menores em decorrência das férias, a média diária foi de 4.123 unidades, apenas 1,9% abaixo do que em dezembro, mas ainda assim 17,8% maior do que o registrado no mesmo mês do ano passado.

A retração do mercado argentino foi o principal fator para o minguado desempenho das importações em janeiro, quando foram embarcadas  apenas 4,6 mil unidades, queda de 44,5% na comparação com janeiro de 2018.

A Argentina é historicamente o principal destino das motos brasileiras no exterior. No primeiro mês do ano , poém, recebeu somente 348 unidades, ficando no terceiro posto, muito atrás dos Estados Unidos (1,2 mil) e logo em seguida da Austrália, para onde foram enviadas 412 unidades.


Foto: Divulgação/BMW

%d blogueiros gostam disto: