YAMAHA: 40 ANOS NO BRASIL

A Yamaha completou, no último dia 10 de outubro, 40 anos de atividades no Brasil. Em 10 de outubro de 1974, em Guarulhos, na grande São Paulo, foi fabricada a primeira motocicleta brasileira. Uma Yamaha RD 50, apelidada pelos consumidores de “cinquentinha”. Nesse período, a marca lançou mais de 140 modelos. Logo após a “cinquentinha”, vieram a RD 75, evolução natural da primeira, e a RS 125, montada com peças e acessórios todos fabricados no Brasil. A companhia introduziu vários segmentos de motocicletas no mercado brasileiro, como as primeiras Trail, Cross e Racing nacionais.

Ainda na década de 1970, a TT 125 foi a primeira Trail brasileira, com amortecedores “superdimensionados”, maior curso e resistência e com garfo dianteiro mais longo. Na categoria Cross, a DT 180, logo depois rebatizada como DT180 Super – que foi campeã de inúmeros enduros (principalmente o Enduro da Independência). E a RD 350, que ainda é buscada por muitos colecionadores, foi a primeira Racing nacional. Fabricada entre 1986 e 1993 foi febre e formou muitos pilotos.

No Brasil, o primeiro escritório da empresa, na época ainda como importadora, foi fundado em 1970, e era situado na Rua General Osório, em São Paulo. Nessa época chegam as primeiras motocicletas de média cilindrada e 650 quatro tempos.

Em 1973 chegam as primeiras motocicletas da linha XS posteriormente denominada TX com motos de 500cc, 650cc e 750cc. Pouco a pouco a Yamaha desenvolvia um projeto mais ambicioso, que previa a construção de uma fábrica localizada em Guarulhos, SP, nas margens da Rodovia Presidente Dutra que estrategicamente a deixava próxima do interior do estado paulista e do porto de Santos.

Em 1974 a Yamaha do Brasil inaugurou sua fábrica no país, a primeira planta da marca fora do Japão e a primeira de motocicleta em solo nacional que ficou conhecida como “Cinquentinha”.

A RD 75 – produzida entre 1976 e 1979 – tinha motor monocilíndrico, dois tempos de 73 cilindradas. Em 1977, a marca apresentou a Yamaha RS125, modelo que contava com as peças e acessórios produzidos pela indústria brasileira.

Leia também:
+ Kawasaki chega a seis anos no mercado brasileiro

Em 1978, a Yamaha produziu a primeira “Trail” brasileira, a TT125 que contava com amortecedores “superdimensionados”, maior curso e resistência, e um garfo dianteiro mais longo, elevando a altura mínima do solo. Abriu caminho para o desenvolvimento das motocicletas trail e on/off nesse mercado. Ela foi comercializada até 1984 e introduziu ainda mais o hábito de pilotar em trilhas e estradas de terra. Quem gostava muito da novidade era o time de inspeção de qualidade da fábrica que em seus testes com o modelo rodavam até 400km por dia cortando as paisagens da Serra do Mar, antes da inauguração da Rio-Santos (em 1985).

A DT180, lançada em 1981 e um ano depois rebatizada como DT180 Super. Um dos maiores sucessos de vendas da marca no Brasil, ela era equipada com suspensão traseira do tipo Monocross, Cantilever, chassi berço duplo e sistema YEIS (Yamaha Energy Induction System). Na DT180 Super encontrava-se câmbio de 6 velocidades e balança traseira redesenhada, com tubos de aço de seção reta. Ela foi campeã de inúmeros enduros (principalmente o mais importante deles, o Enduro da Independência). Até o término de sua produção, outras variações da DT 180 foram produzidas, entre elas as DT 180L, DT 180N e DT 180Z.

A primeira Racing nacional é da Yamaha, a RD350, fabricada por aqui entre 1986 e 1993. Sua produção se caracterizou por duas fases distintas. A primeira produção: RD350, RD350LC e RD 350 Export e a segunda, com a RD350 R, com carenagem totalmente fechada e conjunto de farol redondo duplo. A RD350 foi apelidada de viúva negra por conta do forte desempenho. Com a barreira a produtos importados na época, esse modelo era a alegria dos amantes de velocidade e contou com uma categoria de corrida exclusiva, a Copa RD, que formou muitos pilotos e proporcionou fortes emoções aos amantes das duas rodas

Em 1985, a Yamaha consolida ainda mais suas raízes no Brasil, inaugurando, na Zona Franca de Manaus, a Yamaha Motor da Amazônia, sua segunda fábrica, aumentando ainda mais sua capacidade de atender ao mercado nacional. A mudança vem em bom momento, atendendo a necessidade de produzir modelos de maior cilindrada, que requeriam peças com maior valor tecnológico.

Na década de 1990, dois modelos passaram a ser importados pela marca, a V-Max, trazida em 1994. E em 1998 – menos de um ano depois do lançamento mundial – a YZF-R1, modelo moderno e que representa a busca dos engenheiros da marca de integrar homem e máquina em um único símbolo, ou seja, a extensão do motociclista. A Yamaha foi pioneira dessa ideia e hoje todas as esportivas, influenciadas por esse conceito, seguem de uma maneira ou outra o tom que essa motocicleta trouxe no seu lançamento.

Em 1991, a DT 200 foi a primeira on/off road de motor dois tempos com refrigeração líquida produzida pela Yamaha do Brasil. Fabricada até 1998, ela vinha equipada com freio a disco na dianteira, suspensão traseira New Link Monocross, pneus com maior aderência e sistema YPVS (Yamaha Power Valve System) a famosa válvula desenvolvida pela Yamaha que aumenta o torque em diversas rotações de motor.

Em 1992, a Yamaha inicia a importação do Japão da XTZ 750 Super Ténéré. Ainda no segmento on/off road, em 1993, a Yamaha do Brasil passa a produzir a XT 600. Ela veio reforçar o potencial do mercado nesse nicho recebendo, inclusive o prêmio Moto de Ouro, da revista Motociclismo por seis vezes.

Em 1999, a marca traz a Virago XV 535, atendendo aos desejos de motociclistas “estradeiros por natureza”. O modelo importado seguia a tendência mundial de “reviver os clássicos do passado”. A motocicleta contava com porte elegante, design com ar de “revival”, motor em V, escapamento e outros componentes do motor e de sua parte ciclística cromados.

Assim que a YZF-R1 foi lançada lá fora, em 1998, a Yamaha trouxe ao Brasil. A super esportiva também é uma das poucas que se encaixa no perfil de “lendária”, com seu motor de 4 cilindros em linha, 998cc e 182 cavalos. Importando diretamente tecnologia do MotoGP, principal campeonato de motovelocidade do mundo, a “R1”, como é chamada, foi um marco na categoria com design orgânico, performance acima da média e engenharia de ponta. Essa motocicleta inspirou e continua inspirando todas as outras da sua categoria até hoje.

Em 1998, seguindo a tendência de reviver o estilo clássico das motocicletas custom, a Yamaha trouxe ao Brasil a Drag Star XVS 650. Uma motocicleta que alia o visual retrô longo e baixo à tecnologia atual da época. Tem motor quatro tempos, bicilíndrico em “V”, refrigerado a ar de exatos 649cc e transmissão secundária por eixo cardan e profusão de cromados, além do característico ronco dos dois escapamentos laterais sobrepostos no mais puro estilo rock and roll.

O lançamento da YBR-125 com motor quatro tempos em 2000 foi um marco importante de crescimento da Yamaha no mercado de motocicletas brasileiro. Ela foi a primeira genuinamente produzida para o mercado local e a primeira quatro tempos popular. Trazia design moderno e foi muito elogiada. Chegou a ser o quarto modelo mais vendido do Brasil e o mais vendido da marca.

Em 2005 a Yamaha lançou a YS 250 Fazer, pioneira em uma nova geração de motocicletas “verdes” com injeção eletrônica, catalisador e sistema de indução de ar. Ainda em 2005, a Yamaha XT 660R foi a primeira motocicleta da nova geração com injeção eletrônica e catalisador, produzida somente pela Yamaha do Brasil e pela Yamaha francesa.

O sistema de combustíveis flex da Yamaha foi utilizado na YS 250 Fazer, em 2012. Hoje, em sua segunda geração, o sistema ficou ainda mais eficiente e robusto com adoção de sistema de alimentação de combustível com retorno (sem necessidade de troca do filtro interno da bomba de combustível) e eliminação da espera na saída em dias frios com etanol.

No Salão Duas Rodas de 2013, a Yamaha do Brasil anunciou uma nova etapa, lançando um modelo street 150 e anunciando um novo lançamento a cada seis meses. A YS 150 Fazer foi apresentada no Salão, o modelo chegou para mexer com o principal segmento do mercado brasileiro (150cc street). O primeiro modelo de 150cc que a montadora japonesa comercializa no território nacional foi desenvolvido exclusivamente para o mercado brasileiro.

T-Max um ícone de sofisticação, design e esportividade. A motocicleta executiva de 530cc ganhou vários prêmios e faz muito sucesso no mercado europeu, sendo recordista de vendas em 2012 por lá. Desde 2013 é vendida também no Brasil.

Dando seguimento a nova fase da marca, a Yamaha apresentou no começo de 2014 a XTZ Crosser 150. Também fruto da parceria entre as áreas técnicas do Brasil e Japão, ela foi desenvolvida com o conceito on/off road, trazendo elementos de esportividade e aventura para quem quer uma motocicleta para o dia-a-dia.

Família Ténéré brasileira. Além da XTZ 250 Ténéré, XT 660 Z Ténéré, a Yamaha do Brasil passou a fabricar também a XT 1200Z Super Ténéré, em duas versões, Standard e Deluxe. Isso faz com que o País seja o único do mundo a produzir a renomada família inteira.

The Dark Side of Japan, ou “O lado escuro do Japão”, chegou ao Brasil no segundo semestre de 2014 com a MT-09. Montada em Manaus, a MT (abreviação para Mestre do Torque) tem 850cc, 115cv e 8,92 kgf.m de torque chega com três cilindros. A MT-09 traduz um conceito inovador que combina elementos característicos de modelos esportivos, naked e motard. Compacta e com apenas 191kg, sua entrega de potência é linear.

-Informações e imagens: divulgação-

 

 

Esta página, tem por objetivo informar de maneira rápida e eficaz os eventos e acontecimentos do mundo motociclístico, porém, não se responsabiliza por informações inverídicas, ou por eventos cancelados, ou por eventos não realizados, pois tais informações são fornecidas diretamente pelos próprios organizadores.
 
Então, antes de se deslocar até o evento, confirme se não houve cancelamento ou a existência do mesmo.
 
Boas estradas.
 
——–
 
Quer a cobertura fotográfica do seu evento feita pelo Eventos Motociclísticos?   Solicite uma cotação pelo e-mail contato@eventosmotociclisticos.com.br ou eventosmotociclisticos@gmail.com e tenha a cobertura do seu evento em tempo real sendo divulgado no instagram e fotos de altíssima qualidade feitas por um fotografo com experiencia desde 2007.
 
 
——-
 
 
 
Baixe o aplicativo gratuitamente e tenha no seu smartphone as informações sobre eventos motociclísticos em todo Brasil e até no exterior, além de dicas de bandas para seu evento e noticias sobre motos e motociclismo.
 
O aplicativo está disponível no Google Play Store e na Apple Store. 
 
Também estamos no instagram, envie sua fotos com a hastag ‪#‎eventosmotociclisticos‬ e tenha sua foto publicada na hora em nossa pagina e compartilhe com os irmãos motociclistas como está o evento em tempo real.
 
 
O Aplicativo Eventos Motociclísticos tem o patrocínio de:
Tony Cavalcanti Fotografo – www.tonycavalcanti.com.br
Marcelo Campos Advogado

 

Deixe já o seu comentário

%d blogueiros gostam disto: