YAMAHA XJ6 N ABS

Yamaha XJ6 N ABS não é apenas uma representante de uma época de ouro no mundo das motocicletas. A naked é uma das únicas herdeiras de uma espécie em extinção: as motos de quatro cilindros.

Depois que a Honda CB 600F Hornet foi descontinuada, a XJ assumiu o posto de representante das quatro cilindros com ronco mais cativante. Mas não é apenas de sinfonia que a 600 da Yamaha entende.

Mesmo com menos tecnologia que concorrentes, como a Honda CB 650F, a Triumph Street Triple, e até mesmo do que a prima Yamaha MT-07, a naked seduz pelo design e pelo desempenho. Ao lado das big trails, as nakeds são as motos que despertam cada vez mais o desejo no consumidor.

E que outra forma de começar a falar da XJ senão pelo motor quatro-cilindros de 600 cm³ com 77,5 cv e 6,8 kgfm associado ao câmbio de seis velocidades?

O propulsor é muito liso, progressivo e quase não vibra. Característica comum entre os motores com quatro pistões em linha.

Embora não tenha sido muito renovado desde que chegou, em 2010, suas respostas são muito boas em arrancadas e retomadas de velocidade. E ainda que não seja tão forte em baixos regimes quanto um bicilíndrico, fica muito responsivo e gostoso de acelerar quando está cheio.

Por isso, é preciso abusar das reduzidas para ajudar a estancar a moto quando vindo em velocidades mais altas. E você acha que isso é um defeito? Esqueça.

A cada redução de marcha, uma melodia metálica deliciosa é emitida para deleite dos entusiastas. A embreagem do tipo úmida com disco múltiplo com mola helicoidal é bem dimensionada, mas não é tão leve quanto a da MT-07, bem mais suave.

Para quem gosta de números, o consumo fica na casa dos 24 km/l, o que dá 400 quilômetros de autonomia, já que o tanque leva 17 litros de gasolina. Lembrando que isso depende muito da maneira como o punho direito se comporta.

Além da ótima ciclística para rodar na cidade, a XJ também é indicada para fazer track day em autódromos por causa dos 210 quilos de peso, são 27 quilos a mais do que a MT-07. Sua frente mais pesada faz com que a moto fique mais estável em velocidades mais altas, quase sem “chimar” – a expressão descreve quando o guidão começa a tremer fazendo a frente perder equilíbrio.

A 600 não é tão leve quanto outras motos do segmento, mas confere uma posição de pilotagem muito boa, que deixa o piloto em posição ereta. Bom para passeios mais longos.

Apesar do porte considerado pequeno, são 2,12 metros de comprimento e 1,44 m de distância entre-eixos, a XJ tem uma presença imponente.

Na dianteira, a suspensão sem ajustes tem garfo com bengalas de 41 mm de diâmetro e 130 mm de curso. E na traseira a suspensão tem balança do tipo monochoque, com 42 mm de curso. Mesmo com essa simplicidade do conjunto, o resultado é uma suspensão acertada, que proporciona passeios confortáveis.

Por falar em conforto, os assentos proporcionam um passeio tranquilo para piloto e garupa. Com destaque para a maciez e a boa largura do banco do passageiro. Em geral, uma classe maltratada em outras nakeds e esportivas.

Quem também ajuda nesse quesito são os competentes pneus sem câmara aro 17. O da frente mede 120/70 e o de trás, mais largo, 160/60.

O sistema de freios com ABS tem disco duplo de 298 mm de diâmetro na dianteira, e disco simples de 42 mm de diâmetro na traseira. Ele é eficiente, mas exige mais reduzidas de marchas do que um monocilíndrico para estancar. Tudo certo, já que a cada redução uma nota afinada é emitida pelos metais.

O painel de instrumentos é de fácil leitura e vem equipado com velocímetro digital, hodômetro total e parcial, marcador de combustível e de temperatura do motor. E o conta-giros analógico harmoniza bem com os demais mostradores. Só senti mesmo falta do indicador de marcha.

Outro ponto negativo é o preço do seguro, em média R$ 2.600, com valor de franquia que pode ultrapassar essa cifra.

O preço dessa divertida e empolgante motocicleta é R$ 34.690. É um pouco menos do que a CB 650F (R$ 34.900) e um pouquinho mais do que a MT-07 (R$ 33.790), para ficar nessas duas comparações. Mas quer saber?

Ainda que tenha uma proposta mais simplificada do que suas concorrentes que já contam com mais tecnologia, a XJ6 é uma excelente moto. E, na minha opinião, é a 600 com a melhor sinfonia para os ouvidos. E aí, você concorda?

 

%d blogueiros gostam disto: