Aplicativo para motos é testado em Salvador; veja como funciona

Criado por engenheiro de Brumado, app se expandiu e está em seis cidades baianas

No início, a ideia era criar um aplicativo de mobilidade que resolvesse o problema de trânsito na cidade de Brumado, no sudoeste do estado. Mas a iniciativa, lançada em setembro de 2018, se expandiu e chegou, em outubro deste ano, à capital e Região Metropolitana de Salvador (RMS), onde está em fase de testes.

O Giross é um aplicativo de motos, disponível para os sistemas Android e IOS. De acordo com o desenvolvedor do app, Filipe Martins, 24 anos, Brumado e seus 70 mil habitantes precisavam de uma alternativa de transporte que fosse rápido, barato e eficiente para os passageiros, para que eles não ficassem por horas nos engarrafamentos.

Foi aí que ele decidiu reunir uma equipe de programadores e colocar o sonho em prática. Em um ano de atuação, o Giross já conta com cerca de 20 mil usuários e 1.600 motociclistas cadastrados em Brumado, Feira de Santana, Caetité, Santo Antônio de Jesus, Guanambi e Salvador, além de Resende (RJ).

Em fase de testes na capital, o Giross já possui cerca de 100 motociclistas cadastrados na plataforma. Durante este mês, os mototaxistas não pagarão taxas de utilização ao aplicativo – ficarão com 100% do valor cobrado pelas corridas. Depois da fase de testes, os motoqueiros terão o desconto de 15% do valor de cada corrida.

Adesão
O mototaxista Carlos Roberto Sacramento, 38, estava atento à tela do celular à espera da primeira corrida do dia pelo aplicativo recém-baixado. Trabalhando há 12 anos num ponto de mototaxistas no Caminho de Areia, na Cidade Baixa, ele afirmou que a chegada de um aplicativo de transporte para a categoria é muito importante para a adequação dos mototaxistas às novas tecnologias.

Em fase de testes na capital, o Giross já possui cerca de 100 motociclistas cadastrados na plataforma. Durante este mês, os mototaxistas não pagarão taxas de utilização ao aplicativo – ficarão com 100% do valor cobrado pelas corridas. Depois da fase de testes, os motoqueiros terão o desconto de 15% do valor de cada corrida.

Adesão
O mototaxista Carlos Roberto Sacramento, 38, estava atento à tela do celular à espera da primeira corrida do dia pelo aplicativo recém-baixado. Trabalhando há 12 anos num ponto de mototaxistas no Caminho de Areia, na Cidade Baixa, ele afirmou que a chegada de um aplicativo de transporte para a categoria é muito importante para a adequação dos mototaxistas às novas tecnologias.

“Quem não se adequar agora não vai ter outro jeito no futuro. Gostei da ideia porque teremos condição de aumentar a quantidade de corridas e ficar menos tempo parado no ponto”, opinou.

Para o advogado Joan Aguiar, 23, que mora no Imbuí, solicitar um motociclista do Giross já virou rotina. “O motoqueiro me pega em casa e consigo chegar no meu destino com mais rapidez”, disse ele.

Apesar da aceitação, a novidade não foi bem recebida por Henrique Baltazar, presidente do Sindicato dos Motociclistas, Motoboys e Mototaxistas da Bahia (Sindmoto). Ele afirmou que fará uma reunião com os filiados, para definir uma posição sobre o tema.

“Já estamos com problemas com os que já atuam com delivery, que bloqueiam os motociclistas sem nenhum aviso prévio. Os aplicativos estão destruindo o trabalho de quem tem carteira assinada. As empresas de motoboys estão quebrando”, reclama.

Fonte de renda
O criador do Giross, Filipe Martins, se apega à chamada Lei do Uber, cuja aplicação foi sacramentada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Com ela, os municípios não podem contrariar a legislação federal.

Desde muito cedo, o desenvolvedor do aplicativo trabalhava com o pai na oficina da família em Brumado, a 550 quilômetros de Salvador.

Filipe, que é formado em engenharia de produção e apaixonado por motos, decidiu então criar uma alternativa de melhoria no transporte para os motociclistas e passageiros da cidade que viviam reclamando do tempo que perdiam no trânsito e da pressa que tinham para chegar em seus destinos.

O engenheiro Filipe Martins, 24 anos, criador do aplicativo em Brumado (Foto: Acervo pessoal)

Em dois anos de estudos, o rapaz projetou o lançamento do Giross, que possui preços cerca de 50% mais baratos que os demais apps de carros.

Segundo ele, uma viagem que daria R$ 10, no Giross a cobrança é de R$ 6. Já numa corrida de Uber que seria de R$ 30, no aplicativo das motos é cobrado R$ 15.

“Estudei muito para que o aplicativo ficasse pronto. Em apenas um ano, conseguimos sair de Brumado e chegar em Salvador. As pessoas precisavam se locomover rápido, com segurança e pagando pouco. Sem contar que é uma opção de fonte de renda para os motociclistas que estão desempregados ou em busca de um dinheiro extra”, explicou Filipe.

Para o motorista que for bem avaliado, o aplicativo ofertará benefícios que vão de uma troca de óleo até um vale-refeição ou uma revisão completa na moto. Os passageiros podem avaliar os motociclistas no próprio aplicativo, deixando comentários e indicando melhorias em itens como atendimento e higiene dos equipamentos, como bancos e capacetes.

Para o mototaxista Elenildo Alves, 28, a chegada do aplicativo para a categoria faz com que surjam mais oportunidades de emprego. Ele, que trabalha na função há 6 anos, afirmou que os benefícios ofertados pelo aplicativo servirão como uma maneira de engajamento maior da categoria para aderir à nova plataforma.

Legislação
O advogado Ives Bittencourt informou ao CORREIO que a atual regulamentação, que vale para carros, pode ser estendida às motos, mas o aplicativo de mototáxi também deverá se adequar às leis dos municípios, “como fizeram as plataformas digitais vinculadas aos automóveis”, como lembra o especialista da área cível e trabalhista.

O secretário municipal de Mobilidade Urbana (Semob), Fábio Mota, explicou que todo aplicativo de transporte que deseja atuar em Salvador precisa se adequar às leis de regulamentação do município. Se tratando de mototáxis, segundo ele, os responsáveis pelo aplicativo Giross devem procurar a pasta.

“Quando você chega para atuar com um tipo de serviço numa cidade, você precisa procurar o órgão gestor, que tem a relação dos mototáxis credenciados e autorizados pelo município. Na medida em que ele credencia alguém que não esteja autorizado pelo município, que não tenha passado por vistoria e que não tenha seguro, ele passa a ser responsável por algum acidente que aconteça com o passageiro e com o mototaxista”, afirmou Mota.

Como funciona o aplicativo:

Android ou IOS
O aplicativo está disponível para download, gratuitamente, nas plataformas Android e IOS.

Solicitação
O passageiro insere o destino de sua viagem, recebe o custo estimado e solicita o serviço. Então, os condutores que estiverem próximos recebem a notificação e quem aceitar primeiro faz a corrida.

Avaliação prévia
O Giross garante que os motociclistas cadastrados no aplicativo passam por avaliação prévia e vistoria do veículo.

Delivery
Além do transporte de passageiros, o app também disponibiliza o serviço para encomendas delivery, entrega de documentos, malotes e afins, podendo, inclusive, ser acionado para pagar contas.

 *Com supervisão da chefe de reportagem Perla Ribeiro

%d blogueiros gostam disto: