Moto no corredor no Brasil, pode?

A polêmica existe apenas na cabecinha dos leigos.
Entenda e chega de “MIMIMI”!

Andar de moto no corredor é permitido no Brasil e um hábito, mas o ato é considerado perigoso, o problema do corredor é que o motociclista ocupa um espaço onde já não tem mais tempo de manobra. A maior gravidade vem pela diferença de velocidade em relação aos outros veículos, querer passar no corredor acima de 40 km/h, é um passaporte para a morte. Corredor não é pista. O justo seria andar a uma velocidade razoável. É uma necessidade das grandes cidades e o fim dessa prática tiraria a essência da moto, que é proporcionar mais mobilidade do que veículos maiores.

“Um estudo nos Estados Unidos apontam que acidentes no corredor causam ferimentos menos graves e menos mortes do que os ocorridos quando a moto está atrás de outros veículos.”

O que diz a lei?

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) não proíbe o uso de motocicletas entre as faixas de trânsito. Em 1997, o artigo 56 restringiria o uso das motos no corredor, porém, foi vetado pelo então presidente, Fernando Henrique Cardoso.

“Ao proibir o condutor de motocicletas e motonetas a passagem entre veículos de filas adjacentes, o dispositivo restringe sobre maneira a utilização desse tipo de veículo que, em todo o mundo, é largamente utilizado como forma de garantir maior agilidade de deslocamento”, diz o texto do veto.

Leigos citarão o artigo 192 do CTB, que fala que o condutor de qualquer veículo não pode “deixar de guardar distância de segurança lateral e frontal entre o seu veículo e os demais”. Entretanto, o texto não diz qual é a distância certa, a subjetividade da lei, não pode te enquadrar em uma coisa e acabar enquadrando em outra. Isso vem de uma interpretação errada e cabe recurso em caso de multa.

Vamos parar com o “MIMIMI” e aproveitar o corredor com responsabilidade.

%d blogueiros gostam disto: